Bienvenue sur www.kocko.fr
THEME_DESC_SEARCH
| A + A - |
Connexion    
 + Créer un compte

Menu principal

Recherche

O TESTAMENTO DE LUMUMBA
Posté par Admin le 10/8/2008 15:50:00 (771 lectures)

(Carta escrita na prisão de thysville (Actual Mbanza-Ngungu) à sua mulher Pauline Opangou)       Patrice Emery Lumumba  

Minha querida companheira, escrevo-te estas palavras, sem saber se receberás e se ainda estarei vivo quando as receberes.

Durante toda a minha vida, pela independência do nosso país, nunca duvídamos um instante do triunfo final por causa sagrada a que os meus companheiros e eu consagrámos a nossa vida. Mas o que queríamos para o nosso país, o direito a uma vida honrada, a uma dignidade sem compromissos, a uma independência sem restrições, o colonialismo belga e os seus aliados ocidentais, que encontraram apoio directo nas Nações Unidas, esse organismo em que depositámos toda a nossa confiança uma vez que tinhamos apelado para a sua assistência, nunca o quiseram.

   

Corromperam alguns dos nossos compatriotas, compraram outros, contribuiram para a deformação da verdade e para sabotar a nossa independência. Que mais posso fazer? Que eu esteja morto ou vivo, livre ou prisioneiro por ordem dos colonialistas, não é a minha pessoa que conta, mas o Congo, o nosso pobre país, cuja independência transformaram numa triste farsa. Mas a minha fé permanecerá inabalável.

Sei e sinto do fundo do meu ser que cedo ou tarde o meu povo se desembaraçará de todos os seus inimigos internos e externos, que levantará como um só homen para dizer «NÃO» ao colonialismo degradante e humilhante e para instaurar a sua dignidade sob um sol brilhante.

Nós não estamos sós. A África, a Ásia e os povos livres e libertados de todos os cantos do Mundo estarão sempre ao lado dos milhões dos congoleses que não terminarão a sua luta enquanto os colonialistas e os seus mercenários se mantiverem no nosso país.

Aos meus filhos, que deixei, para talvez não os tornar a ver, quero que digam que o futuro do Congo é belo e que espera deles e de todos os congoleses a realização do seu dever sagrado de reconstruir a nossa independência e a sua soberania, porque sem dignidade não há liberdade; sem justiça não há dignidade e sem independência não há homens livres.

A brutalidade as sevícias, as torturas nunca levaram a implorar a vida, porque prefiro morrer de cabeça levantada, com a fé indestrutível e a confiança profunda no destino do nosso país, a morrer na submissão, tendo renegado os príncipios que não são sagrados.

A história pronunciará um dia o seu julgamento, mas não será a história que se ensinará em bruxelas, em Paris, em Washington ou nas Nações Unidas; será a que se ensinará nos países humilhados pelo colonialismo e pelos seus fantoches.

A África escreverá a sua própria história e esta será do norte ao sul do sahara, uma história de glória e de dignidade.

Não chores, companheira. Eu sei que o meu país que tanto sofre saberá defender a sua independência e liberdade.

VIVA O CONGO! VIVA A ÀFRICA!                       

Patrice Lumumba.    

Prisão de thysville (Actual Mbanza – Ngungu)


Pauline Opango, Esposa de Lumumba



Autres articles
1/2/2011 19:40:00 - Rumba, l’héritage Congo
1/1/2011 22:30:00 - Seigneur Rochereau !
1/10/2010 18:30:00 - Hommage à Ntesa Dalienst
30/9/2010 17:40:00 - Test du BlackBerry Torch
19/6/2010 9:13:00 - Evoloko Jocker, Manuaku Waku et Gina Efonge sur le marché du disque au mois d’août

Les commentaires appartiennent à leurs auteurs. Nous ne sommes pas responsables de leur contenu.

Articles récents

Connexion

Archives